Saudação

Olá!!!! Graça e Paz no Senhor Jesus Cristo! Sejam bem vindos!!!!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

6 – A necessidade de se sentir vivo.(Noé depois do dilúvio)

6 – A necessidade de se sentir vivo.(Noé depois do dilúvio)

O dilúvio havia acontecido como Deus dissera, e agora depois de todo o processo enfrentado durante os tempos de construção da arca, depois de toda pressão por conta da incredulidade do povo e por fim os dias de chuvas incessantes confinados dentro de uma embarcação cheia de animais tudo voltara ao normal. Ao normal? Eis aqui a questão, nada estava como era antes, já não havia mais o burburinho de pessoas tratando de assuntos dos mais diversos ao ar livre nos pontos públicos dos vilarejos, não havia a alegria das crianças correndo e produzindo muitos decibéis de puro contentamento, não havia casas, ou mercados, compra e venda, voz de noivo e novia, trocas de qualquer espécie, apenas um mundo amplo e de uma maneira singular totalmente silencioso, onde até mesmo a fauna quase não se percebia, uma vez que dos animais que vieram na arca salvadora, que já nem eram tantos, dois de cada espécie (dos animais impuros) e sete pares dos puros, todos eles já se haviam espalhado pela terra iniciando o processo de reprodução. Todos os dias Noé via os mesmos rostos, ouvia os mesmos sons, falava das mesmas coisas, e a rotina traria a tona uma das maiores  se não a maior deficiência de todos nos seres humanos: a perca da nossa plenitude criacional, herança da escolha do primeiro Adão. Mas como assim plenitude criacional? Alguém poderia perguntar, ao que respondo da seguinte maneira. Quando Deus criou o homem segundo sua imagem e semelhança, o criador nos fez plenos, ou seja, 100% homem e 100% mulher. Contudo, não falo aqui de termos eróticos ou pré-conceituais, o que quero dizer, é que Deus criou o homem com cem por cento de sua humanidade tornando-o capaz de fazer uso da totalidade de seu cérebro, também o fez imortal, sem doenças, capaz também de desfrutar uma comunhão plena com o criador, encontrando-o todos os dias na viração do dia, o homem estava acima de qualquer conceito moral, pois ele era plenamente moral, tinha também a plenitude do livre abítrio, e nem mesmo isso possuímos mais, pois podemos escolher muitas coisas, mas não somos mais capazes de escolher não pecar, uma vez que Adão escolheu quando tinha a plenitude, a capacidade de não poder não pecar.  Com o advento do pecado, o homem morreu como lhe havia sido dito, mas de forma muito mais profunda e dolorosa que apenas a corrupção do corpo físico. A escolha do primeiro pai nos trouxe como consequência a perca da plenitude de nosso poder cerebral, o envelhecimento, a mortalidade, enfermidades e principalmente nos tirou a plena comunhão desfrutada com Deus no jardim. Todos esses fatores deixaram uma marca profunda na psique humana, que não pode ser satisfeita de maneira nenhuma a não ser no relacionamento pela fé com o próprio Deus, o qual para suprir essa nossa necessidade nos envia hoje o seu Espírito Santo que habita conosco e testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.  Acontece que a marca de que acabei de falar produz no âmago humano, um vazio indescritível que volta e meia gera uma absurda necessidade de preenchimento, e um dos fatores que agrava essa verdade inegável é o fato de que quando temos algumas de nossas necessidades básicas mais primitivas negadas, o vazio da alma se agiganta de uma maneira quase insuportável e nesses momentos de crise vivencial,  sentimos uma necessidade crônica de encontrarmos algo que nos faça sentir vivos, isto porque a sensação que temos durante estas crises é que estamos apenas respirando e nada mais. Agora observe, Noé estava vivendo em um mundo novo, em uma nova forma, um novo sistema; neste ponto alguém poderia dizer o seguinte: “que maravilha, pois não havia mais pecado”...Contudo, duas coisas temos que considerar aqui: 1 – o pecado esta arraigado na natureza humana, onde houver um humano haverá pecado. 2 – O ser humano é um ser social. Independente de estarmos cercados de pecadores justificados pela fé e/ou pecadores inveterados, a questão é que precisamos do convívio social e dos benefícios das relações sociais. Noé tinha sua família, mas todos os demais que ele conhecera estavam mortos, o sistema no qual ele crescera havia desaparecido e isto gerou no valente Noé o desejo de fazer alguma coisa diferente. A escolha? Plantar uma vinha! Isso lhe traria uma ocupação para preencher-lhe a mente e os dias, afinal algo para quebrar a rotina. Entretanto, sempre que procuramos preencher o vazio de nossa alma (todos nos o sentimos vez ou outra e alguns o tempo todo), com valores materiais, isso será apenas um abismo conduzindo a outro abismo. Aqui esta a razão por encontrarmos dentro de nossos templos tantos crentes com compulsão por coisas absurdas, como a pornografia, consumismo, webdependencia, violência, dependência química, mentiras, amor ao dinheiro, entre tantos outros males que poderíamos listar aqui.  As pessoas não sabem, ou não entendem, a razão do vazio dentro de si e atribuem isso ao que elas julgam falhas nas pessoas com que se relacionam, ou seja, os que estão em seu convívio não lhe atendem as suas necessidades físicas, psicológicas e espirituais e assim, procuram algo que lhes traga alivio imediato, e dessa forma vão se embaraçando mais e mais com negócios desta vida. O segredo bíblico para aliviar os sintomas desse mal é manter o coração fervendo com palavras boas. Noé plantou uma vinha e depois é claro, foi desfrutar do fruto de seu trabalho. Plantar uma vinha a principio não me parece jamais uma má ideia, porém, o que vamos fazer depois com os frutos dessa vinha é que quase sempre se torna o grande problema. Noé tanto fez que acabou por se embriagar, a embriagues por sua vez trouxe o entorpecimento, e este por sua vez lhe tirou a capacidade de discernir entre o certo e o errado e o levou a agir de forma prejudicial tanto a si mesmo quanto aos poucos que lhe cercavam. O interessante é que a necessidade de nos sentir vivos produz em nós uma urgência absurda de alívio rápido  e quando encontramos tal alívio em alguma coisa, a tendência é nos tornarmos dependentes e assim nos entregarmos totalmente ao consumo diário dessas doses de prazer. Noé sentiu um prazer do velho mundo, o gosto do vinho lhe trouxe lembranças nostálgicas, e isso produziu em sua mente uma sensação tão boa que não poderia deixar de beber mais uma e mais outra dose. A consequência? Um homem sem controle de suas faculdades mentais que por conta do acaloramento pela alta quantidade de vinho se despe e se depois se deita tranquilamente para dormir. O sono chegou, o guerreiro de Deus estava agora entregue ao seu próprio descuido e isso culminaria em algo ainda pior. Ao despertar de seu sono, e o sono sempre termina,  o patriarca recebe a noticia de que seu filho Cam de forma jocosa havia entrado em sua tenda, visto sua nudez e a comunicado aos seus irmãos. Tal informação gerou no recém desperto Noé uma atitude devastadora, pois ao se zangar com a falta de respeito de seu filho, pronuncia palavra de maldição sobre seu neto Canaã (filho de Cam). Ora, ainda que Cam merecesse algum tipo de sanção por conta de seu desatino, o proprio Nóe o merecia ainda mais por se entregar a um prazer mórbido, na tentativa de preencher um vazio que apenas o relacionamento com Deus poderia preencher, já o seu neto Canaã mereceu o castigo?. Caros leitores, eis aqui uma das grandes verdades de nossos dias, nossos templos estão cheios de pessoas, mal resolvidas, sofrendo angustias profundas por não entenderem o que se passa com elas, e tais pessoas buscam soluções em fontes que não dão água que realmente sacie a sede da alma. Crentes que a exemplo de Noé plantaram uma vinha, ou seja, investiram em algo que depois lhes trouxe o entorpecimento espiritual, não conseguem perceber que estão sem o controle da situação, acabam por se expor publicamente ainda que tentando ocultar seus pecados, e por fim se entregam totalmente se deixando dominar por uma sonolência espiritual que lhe mina definitivamente toda capacidade de perceber que alguém se aproxima da tenda.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

5 – descomprometimento com a vontade de Deus, falta de vigilância (Sansão nos braços de Dalila)

Sansão era nazireu de Deus ( נזיר naziyr ou נזר nazir), que quer dizer consagrado a Deus. O nazireado é instituído por Deus no capitulo 6 do livro de Números e diz respeito a qualquer pessoa que fizesse voto de consagração a Deus por um período de tempo, o qual deveria observar algumas exigências para que o seu nazireado fosse aceito diante de Deus. No caso dele, o próprio Deus declarou que ele seria consagrado a Deus durante toda a sua vida, e ainda que ele mesmo não tivesse feito o voto por livre e expontânea vontade, deveria observar a exigência de não cortar o cabelo.  Algo que não podemos deixar de observar antes de continuar é que as exigências principais foram feitas à mulher (sua mãe) e segundo as palavras do anjo, a Sansão ficou apenas a responsabilidade de manter seu cabelo sempre crescido. No caso desse juiz em particular, Deus lhe habilitou com uma força física descomunal e absolutamente sobrenatural, e esta era a maneira como o Espírito de Deus se manifestaria em seu servo, através de uma habilidade não espiritual mas física, que grande lição temos aqui, pois afinal, pois Deus age de diversas e surpreendentes maneiras. Vale lembrar que o segredo da força de Sansão não estava em seus cabelos, mas na obediência aos preceitos divinos, enquanto ele observasse o mandamento teria a força que lhe tornaria o mais afamado herói popular  não só em seus dias e em meio ao seu próprio povo mas o mais conhecido super-humano de todos os tempos. Porém, a personalidade do jovem Hebreu e suas tendências carnais sempre o mantiveram no limiar do fracasso até que esse se manifestasse com toda a força. Obediência, como já disse acima, esse era o segredo, e o que diz a bíblia sobre a igreja contemporânea? “por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriará”(Mt24:12), a iniqüidade só pode se multiplicar se for alimentada pela desobediência. Se a força  dos ossos e músculos eram as armas do antigo juiz as quais só seriam mantidas pela fé e vigilância, a fé (a vitória que vence o mundo) é a arma de que dispomos para vencer as propostas carnais ao mesmo tempo em que resistimos ao próprio tentador. Contudo, analisando a vida de Sansão podemos claramente perceber o caminho da desobediência que o leva pouco a pouco a abrir sua guarda e entregar aos seus inimigos um segredo que uma vez desrespeitado o levaria ao status de desobediente aos preceitos divinos e por fim conduzindo-o ao absoluto fracasso. Dalila, aquela a quem amou a ponto de desobedecer a Deus, depois de lhe induzir pela insistência a entregar um segredo que o levaria à desobediência e portanto a perca de sua força, visto que quem operava isso em seus músculos era a presença do Espirito Santo, essa mesma Dalila ao perceber que finalmente lhe abrira o seu coração por completo, “o fez dormir sobre seus joelhos”.   A aparente beleza do que estava fora de sua cultura e de seu povo sempre atraíram Sansão, e pouco a pouco lhe ataram por cordas que não podiam ser destruídas pela força física, pois a bíblia nos ensina que “ninguém que milita se embaraça com negócios dessa vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra” (II Tim 2:4), aparatos de guerra não podiam vencer ao herói bíblico, mas os “negócios dessa vida”, pouco a pouco lhe minaram a capacidade de obedecer a vontade de Deus. Vejamos os decadentes passos finais do guerreiro de Deus até o sono mortal nos braços de Dalila, que o levaria a cegueira e a vergonha entre seus inimigos.
1 – 16:7  - amarrar com sete vergas de vimes frescos, ainda não secos.
2 – 16:11 – fortemente com cordas novas
3 – 16:13 – tecer 7 tranças do seu cabelo com o liço da teia ( e elas os fixou com uma estaca)
4 – 16:17 – descobriu-lhe todo o seu coração – a queda começa com a entrega de segredos de Deus em nós e para nós.
5 – 16:19 – ela o fez dormir sobre os seus joelhos – o conforto para a pratica da desobediência.
6 – 16:19 – chamou um homem e rapou-lhe os cabelos
7 – 16:19 – começou a afiligi-lo ( testar sua força)
8 – 16:20 – sairei como dantes.....o Espirito do Senhor já havia se retirado dele.

Falta de perdão

Falta de perdão, rancorosidade, indiferença, desamor  (Jonas fugindo para Tarsis).
Aqui esta uma das histórias da bíblia mais conhecidas de todos os tempos, Jonas o profeta fujão e o grande peixe. Vamos, contudo, analisar os detalhes que levaram um profeta chamado por Deus a escolher a fuga de sua presença. É interessante observar que Jesus em seus ensinamentos recomendou aos discípulos que fossem prudentes como as serpentes e simples como a pomba. O adjetivo usado por Jesus para definir a pomba é akeraios, que significa puro, não misturado, limpo de mente, sem um misto de maldade, livre de malícia, etc. e a Pomba no hebraico é Ionah, que é justamente o nome do profeta em hebraico. O Jonas que conhecemos é o Ionah no texto bíblico, ou seja, Deus chamou para enviar a Nínive alguém cujo nome denotava tudo que era necessário para que os ninivitas fossem alcançados pela misericórdia de Deus, contudo, o que estava no coração do profeta não condizia com seu nome. Jonas o filho de Amitai era natural da pequena vila de Gate Hefer (II Rs 14:25) no distrito da tribo de Zebulom (Js 19:13) alguns quilômetros ao norte da região da Galiléia e os eruditos dizem que exerceu seu ministério durante o reinado de Jeroboão II. Portanto, Jonas conhecia  bem os costumes e o pensamento dos Assírios. Nos dias do profeta os assírios controlavam algumas regiões de Israel anteriormente conquistadas conforme o texto de  II Rs 10:32 e 33 e aqui começamos a compreender os sentimentos abrigados no interior do servo de Deus, uma vez que os assírios eram violentos em extremos contra os povos os quais lutavam, praticando, empalamentos, esfolamentos, serrando ao meio soldados inimigos, entre tantas outras atrocidades. Quando Deus fala ao profeta ele vislumbra a possibilidade de arrependimento do povo e por conta disso o perdão de Deus para os ninivitas e assim escolhe fugir para evitar que a misericórdia de Deus alcançasse um povo ao qual ele condenava à destruição em seu coração rancoroso (ler cap 4:2). Veja que o sintoma aqui da condição espiritual do profeta era algo que estava abrigado em secreto no coração dele, ódio a um povo violento e que não conhecia a Deus e a seus princípios e essa condição espiritual começou a sinalizar de forma visível quando chegou a ordem divina para que justamente ele fosse até os ninivitas, e lhes anunciasse a palavra de Deus. O ódio e o ressentimento não nos permite praticar a justiça que vem pela fé. Assim como o sono nos insensibiliza ao que acontece ao nosso redor, o rancor, e suas variantes nos insensibiliza ao amor de Deus para com as almas e para com o próximo, nos fazendo colocar nossas razões acima da vontade de Deus. Jonas sinaliza seus reais sentimentos começando um processo de descida de vários degraus até chegar ao fundo de um abismo que não lhe trouxe o objetivo almejado mas um terror jamais antes experimentado por homem algum que vivesse para o relatar.
1-    Desceu a Jope
2-    Desceu para dentro do navio
3-    Desceu ao porão do Navio
4-    Lançado ao Mar
5-    Tragado pelo peixe
6-    Lançado no profundo, no coração dos mares
7-    Desceu até os fundamentos dos montes

Quando olhamos para o texto bíblico no hebraico antigo encontramos a palavra “yarad”, que significa não somente descer, mas também declinar, marchar abaixo, afundar, e quando o profeta decide fugir de diante do Senhor e tomar uma outra direção, ele começa literalmente a afundar. Um abismo chama outro abismo e quando entramos na contramão da vontade divina afundaremos passo a passo até que nosso orgulho seja suplantado e finalmente consigamos clamar com sinceridade e pureza de alma. Considere-se também que afundar denota perca do controle da situação, um nadador por exemplo, tem controle de seu próprio corpo sobre a água mas se por qualquer razão esse controle for perdido ele começa a afundar.  Lembro aqui da história de Pedro andando sobre as águas indo ao encontro de Jesus, contudo, ao ver-se afastado de sua zona de conforto que era o barco onde estavam os demais discípulos e sentindo o vento e vendo as ondas, teve medo, e assim começou a afundar. Quando Jonas desce a Jope ele ainda que pensasse estar no controle da situação, já estava começando a afundar e isso ainda iria bem mais longe até o terror absoluto.

O Projeto divino para a Igreja

O projeto divino para a Igreja.

Antes de avançarmos nesse estudo vamos considerar qual seja, segundo alguns textos bíblicos, o que Deus deseja para a Igreja. É importante considerarmos essa questão antes de prosseguirmos para que sejamos capazes de discernir qual tem sido nosso posicionamento diante das metas propostas pela vontade divina. Vamos então analisar o texto de Paulo aos Efésios no Capítulo 5 versículos 26 e 27. Observe bem:
“Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.”

Gloriosa (endoxos -  ενδοξος) – ter em alta estima, alta reputação, ilustre, honrável,  (fig) livre de pecados. As vestes de santidade....Moisés o grande líder de Israel disse certa vez o que ficou registrado no capitulo 4:6 de Deuteronômio: vocês devem obedecer os mandamentos de Deus e cumprir a cada um deles, pois desta maneira os outros povos verão a sabedoria e o discernimento de vocês. Quando eles ouvirem todos esses decretos, dirão: De fato esta grande nação é um povo sábio e inteligente”.  Quando a igreja vive a palavra de Deus, não sendo apenas ouvinte mas praticante dos princípios bíblicos, conquista a admiração e o respeito da sociedade e isso glorifica a Deus porque através disso pessoas se aproximam de nós e assim entram em contato com a mensagem da salvação. O respeito e a admiração vem não por conchavos e articulações de qualquer espécie mas repousa sobre a igreja como uma benção advinda das próprias mãos de Deus, afinal a bíblia diz em Tiago 1:17 que: toda boa dádiva e todo dom perfeito bem do alto, descendo do Pai das Luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação”.
Sem mancha (spilos – σπιλος) mancha, falta, deformidade moral. – a mancha no antigo testamento poderia ser o sintoma da lepra no corpo humano. O sacerdote deveria verificar e declarar, caso confirmado fosse a doença, que a pessoa seria imunda (ameh), para o culto e também não poderia permanecer no meio da congregação (Levitico 13 e 14). Uma simples e discreta manchinha na pele poderia ser o indicio de que a enfermidade havia tomado conta do corpo da vitima e caso o mal fosse confirmado deveria gerar no portador da doença a alienação para não gerar contaminação e por fim uma epidemia. Hoje estamos sob o ministério do sumo sacerdote Jesus Cristo e ele levou sobre si todas as nossas enfermidades, sejam físicas ou espirituais, contudo, no que tange ao pecado, a mancha ainda representa presença do mesmo no coração e na mente do homem, o qual vai paulatinamente produzindo corrupção e deterioração do corpo. É necessária a confissão e a oração intercessória para que haja cura. Neste intem observemos três versículos importantíssimos: Provérbios 28:13 “quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e abandona encontra misericórdia”,  Tiago 5:16 “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz”, I Joaõ 1:9 “se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça.  Indo um pouco mais adiante encontraremos no capitulo 21 de Levítico a bíblia nos informando as qualificações físicas necessárias para o exercício do sacerdócio, para o qual, nenhuma deformidade física seria aceitável por serem tipo de Cristo (tipologia). Hoje as deformidades inaceitáveis são as que distorcem a beleza do homem interior visto que estamos ligados a Cristo e por conta disso os moldes mundanos não são compatíveis com a beleza da gloria de Deus que se reflete em nós.

Nem ruga (ruthis – ρυτις) ruga – marca de expressão advinda do avanço em idade, ou do uso indevido de substancias químicas de qualquer espécie. Existe uma maravilhosa revelação neste texto uma vez que o envelhecimento é uma das consequências do pecado, e neste ínterim, o que não podemos esquecer que o que envelhece é o corpo físico, o corpo espiritual não envelhece jamais, antes cresce até que se atinja a estatura da medida de Cristo, até que cheguemos ao status de varão perfeito e assim permaneça eternamente. Mas como podemos entender este contexto bíblico? Simples, considerando que qualquer marca de expressão que surja na igreja será sinal mais do que claro que alguma coisa esta errada entre os membros do corpo. Algo que temos que considerar também neste estudo é que sempre devemos pensar exegéticamente em duas linhas, a da coletividade que diz respeito a igreja como um corpo, e ao individuo que é parte definida do corpo mas não perde sua individualidade. A santificação da igreja que evita as marcas de expressão bem como o uso de “substâncias químicas”, e a santificação é operada pelo Espírito Santo e a ministração da Palavra que por sua vez é responsabilidade dos ministros a quem Deus chama para a realização de tal obrigação.  Quando a palavra da verdade é manuseada com inteligência, não há ruga que não desapareça. Considerando a segunda linha acima citada vejamos o que diz a bíblia em Provérbios 15:13:” alegria no coração do homem aformoseia o rosto”.  Corações tristes deixam rostos tristes e sendo assim basta lembrarmo-nos da bíblia dizendo o seguinte: “chorai com os que choram”.
 Nem coisa semelhante (toioutos  -τοιουτος) – dessa espécie ou tipo, ou seja, qualquer coisa que comprometa a reputação, que gere o pecado e que nos envelheça diante da fé deve ser evitada. Para comentar este tópico vem ao meu coração algo que pessoalmente considero uma das verdades mais surpreendentes da bíblia sagrada. Veja só: “tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem” (Hebreus 12:15). Vamos considerar o seguinte, raiz é a aquilo que fica sob a terra, enterrado no profundo e que só pode brotar quando devidamente alimentado. O que quero compartilhar com você é que por causa do pecado original, a escolha do primeiro Adão, todos nós temos a raiz plantada dentro da nossa velha natureza e normalmente não precisa de muita coisa para que esse mal arraigado em nosso velho eu brote e produza árvore má que de fruto mau. Nosso esforço enquanto crentes é em não deixar que nenhum tipo de estímulo alcance tal raiz em nosso ser, e enquanto ministros da palavra, pregar com toda a ousadia para que os brotos que começam a crescer sejam cortados novamente e fiquem infrutíferos. A raiz não poderemos destruir porque faz parte de nossa natureza decaida, contudo, podemos e devemos evitar os rebentos para que não haja contaminação de muitos. E por falar em contaminar, a palavra usada nos grego bíblico para contaminar é miaino que signifca: tingir com outra cor, colorir, poluir, sujar, contaminar, etc. Quando a raiz de amargura depois de haver brotado já começa a contaminar, na verdade, existe uma mudança nas cores espirituais e a bíblia nos recomenda no livro de Eclesiastes 9:8 que em todo tempo sejam alvos nossos vestidos.
Santa – (hagios – αγιος) – algo muito santo, implica em uma relação especial com Deus, que não deve ser violada.



Irrepreensível. – (amomos – αμωμος) – Sem defeito, como um sacrifício sem mancha ou defeito, moralmente irrepreensível.